VISITA AO SANTUÁRIO

Pin It

4. VISITA AO SANTUÁRIO

A igreja dos freis capuchinhos de Pádua, hoje conhecida como Santuário São Leopoldo Mandic, é em estilo de 1500. Durante a segunda guerra mundial foi quase totalmente destruída, mas, em seguida, reconstruída. No interior da igreja podem ser vistas telas de 1500 e 1600. É meta constante de peregrinos que, devotamente, visitam o túmulo de São Leopoldo, localizada em local anexo à igreja, perto da pequena sala onde o santo confessava.

A capela e o túmulo do Santo

Diante da quarto-confessionário de São Leopoldo, encontra-se a capela onde, desde 1963, repousam os restos mortais do Santo. O túmulo, feito de mármore vermelho, é meta de contínuas peregrinações de pessoas, atraídas pela força espiritual de um frei amigo que continua a todos proteger e confortar. No interno da capela, ao lado da lápide mortuária, em nicho pode-se ver a mão direita do Santo – em posição de absolver - para lembrar as inumeráveis vezes que ele a ergue para absolver os pecados, abençoar e consolar.

O artístico retábulo do altar da capela, feita por Lino Dinetto, interpreta a missão de São Leopoldo, encaminhando as almas à Santíssima Trindade, através da mediação de Jesus Redentor. A estola presbiteral e o hábito franciscano-capuchinho, usados por São Leopoldo, lembram o ministério e a doação de toda sua vida: O santo confessor é representado ajoelhando, como intercessor e irmão que indica a estrada que conduz à intimidade com Cristo. Na parte externa da capela, em cima do túmulo do santo, está acesa – dia e noite – a “Lâmpada da Reconciliação”. O rito da doação do óleo, que alimenta a lâmpada, é renovado anualmente aos 12 de maio, festa litúrgica do Santo.

A salinha-confessionário

Nesse local, por quase 33 anos, São Leopoldo passava grande parte de seu dia, ouvindo as pessoas, confessando e dando a absolvição e também rezando silenciosamente. É um ambiente pequeno, que está conservado intato desde o tempo do Santo: uma cadeira onde sentava o confessor e pequeno genuflexório para os penitentes, unidos por um crucifixo na parede, diante do qual os peregrinos se ajoelham e rezam. Sente-se espiritualmente ainda a presença de São Leopoldo, sempre amorosamente acolhedor. Com ele, os fiéis ainda dialogam e rezam silenciosamente. Deixam, por escrito, os pedidos e agradecimentos em um grande livro, colocando numa estante. Depois de ter orado e permanecido em silêncio por um certo tempo, o papa João Paulo II assinou seu nome num destes volumes, aos 12 de setembro de 1982. Os objetos originais desse quartinho, com outros objetos usados pelo santo, encontram-se expostos em duas salas vizinhas.

Uma lápide, colocada na parede externa, mostra como, no bombardeio de 14 de maio de 1944, esse quartinho-confessionário permaneceu prodigiosamente intato, como o santo tinha predito: “Permanecerá um monumento da divina misericórdia”.

A igreja dos Capuchinhos

Do lugar onde se encontra o túmulo de São Leopoldo, entra-se na igreja, ou melhor, no local das confissões, iluminado por um vitral policromo, em cuja parte inferior – quase como um convite para o sacramento da reconciliação para retornar renovados e transformados à vida de cada dia – encontram-se estas palavras de São Leopoldo: “A misericórdia de Deus supera qualquer esperança”.

Antes de qualquer graça, os santos lembram que é preciso pedir a “graça”, isto é, a experiência do amor gratuito de Deus, se sentir-se filhos no Filho Jesus, no dom do Espírito Santo, que grita em nossos corações: “Sim, Pai!”.

Uma parada na igrejaoferece a possibilidade de adoração ao Santíssimo Sacramento, presente no altar, colocado no centro do coro dos frades; de contemplar, diante do artístico crucifixo de madeira, esculpido por Luís Strazzabosco, o mistério da redenção; de venerar a estátua da Imaculada, que permaneceu intata no bombardeio de 1944. Diante dessa imagem, frei Leopoldo por muito tempo celebrou a santa Missa.

Na parede do fundo, sobre um portal de bronze com os santos e beatos capuchinhos vênetos, podem ser admiradas três telas: da esquerda, Transfiguração de Jesus (Dário Varotari, século XVII), A Glória de São Leopoldo com a Virgem Maria e os Anjos (G.B. Tiozzo, século XX) e Coroação da Virgem Maria (século XVI).

Questo sito o gli strumenti terzi da questo utilizzati si avvalgono di cookie necessari al funzionamento ed utili alle finalità illustrate nella cookie policy Se vuoi saperne di piu o negare il consenso a tutti o ad alcuni cookie, consulta la cookie policy.

  Accetto cookies da questo sito.
Cookie Information
SAN LEOPOLDO “PATRONO DEI MALATI DI TUMORE”

Leopoldo Patrono malati

FIRMA ANCHE TU LA PETIZIONE AI VESCOVI ITALIANI. Fin dagli anni ’80 del secolo scorso, molti medici, ammalati e loro familiari hanno espresso il desiderio di poter invocare san Leopoldo per una malattia sempre più diffusa e dolorosa: il tumore. Leggi...